Thursday, June 07, 2012

FANFIC - PAIXÃO E CRUELDADE - CAPÍTULO 3




Boa tarde pessoal! Hoje Bella vai começar com seu plano de vingança e Edward não será sua única vítima. As coisas vão esquentar no Democracy...

Título: Paixão e Crueldade
Autora(o): Lunah.
Shipper: Bellard
Gênero: Romance, Universo Alternativo, Lime,
Darkfic, Drama
Censura: NC-16
Categorias: Saga Crepúsculo
Avisos: 
Álcool, Linguagem Imprópria, Violência, Heterossexualidade, Sexo

Paixão e Crueldade
By Lunah

Atenção: Este conteúdo foi classificado 
como impróprio para menores de 18 anos.
"Estou ciente, quero continuar!"


Capítulo 3

Bella PDV

Acendi um cigarro e saí do banheiro quase atropelando Tânia que esperava na fila. Com fome e sede de Edward, segui para a sala.
O canalha escondeu de todos o crime que cometeu na biblioteca e até o time o ajudou nisso. É claro que o filhinho do governador não podia sujar sua imagem de bom moço. De longe, o avistei sozinho mexendo no celular. J.P tinha mesmo conseguido separá-lo de sua vadia assim como pedi. Era hora de atacar!
Aproximei-me sinuosamente e me aproveitei de sua distração para sussurrar em seu ouvido.
 Te peguei!
Sobressaltado, me encarou surpreso.
– Oi.  disse por falta de coisa melhor.
 Tem um Mustang vermelho estacionado no final da rua. Preciso de você lá, veterano.
Ele balançou a cabeça sem acreditar no convite.
 O que te faz pensar que estou interessado?
Gargalhei.
 Acha que não sei que está pensando: quem essa garota acha que é? Eu prendo a sua atenção e está louco para entender por que. Não me quer em seu colégio, mas me acha linda. – arqueei uma sobrancelha.  Te incomoda não saber por que estou te assediando e não a Emmett, que tem mais a me oferecer por ser solteiro. E é aí, meu caro, que surge a pergunta que te fará ir ao meu encontro...  o analisei dos pés a cabeça.  O que ela quer de mim?
Edward estreitou os olhos não conseguindo revidar. Estudei-o por anos e agora ele se sentia perdido diante de uma desconhecida que podia vê-lo por trás de sua máscara.
Não perdi mais tempo e saí da casa, deixando-o tentar se convencer de que não me seguiria.

(...)

Sentada sobre o capô do carro, esperei pacientemente. Edward se torturou por cerca de 8 minutos, até que não aguentou mais e veio ao meu encontro.
 Ainda tentando evitar o inevitável, veterano?  zombei.
 O que quer?  parou à minha frente.
Acendi outro cigarro, dei uma boa tragada e saboreei a fumaça antes de soltá-la na direção dele.
 E o que você quer?  fiz uma pergunta semelhante.
 Poupe-me desse joguinho.
 Claro.  dei uma avaliada no material diante de mim. O Cullen estava gostosinho com suas roupas de mauricinho. Jeans escuro, blusa branca e por cima um colete preto.  falemos sem rodeios.
 É o que espero.  manteve sua postura.
 Vem cá.  Chamei-o com a mão.  O que tenho a dizer é segredo.
 Mesmo?  revirou os olhos.
 Seja bonzinho e me escute.
Ele refletiu por um breve momento, provavelmente pensando os prós e contras. Por fim, sua curiosidade novamente o traiu.
 Seja breve.  se aproximou.
Com força o puxei para junto de mim e ele não resistiu. Entre minhas pernas, Edward manteve a cabeça baixa quando meus lábios sussurraram em seu ouvido:
 Quero você, meu estimado colega. Milímetro, por milímetro.  dei uma lambida em sua orelha. Minhas investidas seriam assim, fatalmente diretas.
 Por que eu?
 Filhinhos de papai me excitam. Vai me condenar por isso?  ri baixinho.
 Você é completamente louca.  ele tentou se afastar e não permiti.
 Louca não...  tentei beijá-lo e ele virou o rosto.  Mas, com certeza, excêntrica.  pisquei o olho.
Com esforço se desvencilhou e eu gostei dele não ter cedido facilmente, pois que graça teria?
 Eu tenho namorada, sabia?
Desci do carro bem animada.
 Não sou ciumenta.  fiz carinha de inocente.  Partilhar é algo tão bonito... Sempre quis ser sócia em um bom investimento.
 Não vai acontecer nada entre nós.
Foi impossível não rir.
 Então por que está suando, Falcon?
 Garanto que não tem nada a ver com você.
 Agora que sabe o que quero vai parar de ficar me “secando” quando eu estiver dançando?  era delicioso vê-lo perturbado com o meu conhecimento sobre seus pensamentos.
 Você não está com toda essa bola, sabia?  forçou um sorriso.
 Tem toda razão. E o fato de você estar aqui prova isso.  meu sorriso debochado o deixava furioso.
Ele se preparou para revidar, mas desistiu e bancou o educado.
 Boa noite.  saiu querendo ser superior.
 Ei, veterano!  gritei quando ele já estava a metros de mim. Edward parou, esperou dois segundos, então olhou para trás.  Boa sorte!  acenei.
O cara não entendeu, mas ia entender em breve. A vida dele de agora em diante seria uma constante e árdua luta contra a tentação. Eu não pararia até reduzi-lo a pó. E, sem remorso, me vangloriaria, pois como escreveu Shakespeare: Quem tem mais culpa? O tentado ou o tentador?

(...)

No meu segundo dia no Democracy, resolvi usar novas estratégias. J.P invadiu o sistema do colégio e me colocou em todas as aulas de Edward. Minha presença o deixou visivelmente desconfortável, e eu nem sequer lhe dirigi a palavra. Muito pelo contrário, minha intenção era apenas observá-lo. O cretino sentiria o peso dos meus olhos onde quer que fosse.

Edward PDV

Estressado, procurei voltar a minha atenção para o cálculo que tentava resolver no caderno. Era difícil demais me concentrar com a maníaca do outro lado da sala me encarando.
Bella insistia em estar no centro das fofocas. Todos comentavam que ela e o cara da informática, o qual ninguém sabe o nome, tinham um caso. Na verdade, as más línguas falavam que ela o usava sexualmente. Não sei o que pensar disso, só sei que devo fugir de alguém com a reputação tão suja.
Disfarçadamente, cocei o pescoço e olhei na direção em que ela estava. Nossos olhares se encontraram, então imediatamente baixei a cabeça.
Droga!
Ela nem fazia o meu tipo. Nunca gostei de garotas vulgares. Infelizmente, Bella cheirava a sexo do bom e isso era difícil de ignorar. Como qualquer ser humano idiota, eu estava me sentido atraído pelo que era proibido.
Essa merda não pode estar acontecendo comigo! Não faz nem 48h que conheço essa louca!

Bella PDV

Segui Edward até pelos corredores. Ele tentava me ignorar usando sua postura disciplinada e “superior”. Mal percebia que eu estava crescendo à sua volta como erva daninha, me enrolando lentamente em suas pernas, braços e tórax, até o momento em que minhas raízes o puxariam para baixo.
Tânia sentou-se ao lado do namorado na aula de Biologia, e nem assim lhe dei descanso. Ele tocava frequentemente a vadia, tentando me mostrar que ela era a dona de seu coração. O engraçado é que eu não me importava, pois ela podia ficar com o coração, já que em breve todo o resto do corpo seria meu.
Estava tão concentrada no Falcon que mal percebi que o alarme de incêndio havia tocado. Os alunos saíram da sala apressados e eu tive que segui-los. Os corredores ficaram lotados e logo o diretor apareceu ordenando que voltássemos para as salas. Não havia incêndio, apenas humilhação. J.P estava pregado pelo blazer no quadro de avisos e em sua testa estava escrito “bundão”.

Isabella PDV

 Jasper, pelo amor de Deus me diga quem foi!  Eu o seguia pelo estacionamento.
 Deixa pra lá, Isabella.  abaixou-se para abrir a tranca de sua bicicleta.
 Por que não convenceu o Sr.Weber a punir os delinquentes?
 Até parece.  riu sem humor.  É a palavra do bolsista contra a dos riquinhos.
 Chega! Eu preciso fazer algo.
 Não!  se chateou.  Ontem tentou mudar as coisas e eu só me ferrei. Emmett e Mike estavam furiosos porque deram um “festão” e hoje as pessoas só comentam sobre “o nerd sem nome e seu caso com a novata”.  montou na bicicleta.  Prefiro ficar quieto e torcer para que me esqueçam.  saiu pedalando mais rápido do que de costume.
 ESPERA!  gritei sem nem ter tempo de lhe oferecer uma carona.

(...)

Fiquei a noite inteira inquieta. Dentro do meu quarto, andei de um lado para o outro me sentindo culpada pelo que aconteceu a Jasper. No entanto, o que mais me perturbava era o fato dos Falcons sempre ficarem impunes. As leis do mundo não se aplicavam a eles? Eram intocáveis?

Bella PDV

Ninguém é intocável!
Esse pensamento serviu de engrenagem para minha imaginação e, após algumas horas, já sabia o que fazer.
Eram 03:25h da manhã quando estacionei em frente à casa de J.P. Liguei para o seu celular e ele logo veio ao meu encontro.
 O que aconteceu?  indagou entrando no carro.
 Já sei como atingir os Falcons.
 O quê? Não me conte, não quero nem saber.  bufou.
 Não vê que existem outras pessoas sofrendo com os abusos deles? Até quando vamos ficar indiferentes?  fui firme em meu discurso.  Nós temos o poder de virar o jogo. O melhor de tudo é que vamos estar seguros, os Falcons nem vão saber de onde estão vindo os golpes.
 Como assim?  finalmente se interessou.

(...)

Passamos o resto da madrugada discutindo os detalhes do meu plano. J.P adicionou algumas idéias e moldamos o golpe que atingiria o Democracy no estômago.
Havia muito a ser feito, por isso trabalhamos no projeto durante as aulas, usamos os computadores da biblioteca, fugimos do colégio nos intervalos para comprar alguns equipamentos e no final do dia estava tudo quase pronto.
Nosso dia foi corrido demais para eu torturar Edward como pretendia. Mesmo assim, continuei a cercá-lo. O maldito resistia, tentando lutar em uma guerra que já tinha perdido desde o momento em que foi me encontrar no Mustang.

(...)

 Já arrumei tudo. É quase meia-noite, tem certeza que quer fazer isso?  J.P virou-se para mim.
 Absoluta!
J.P teve bastante trabalho, mas sua genialidade deu asas à nossa vingança. Dentro de seu quarto montamos a nossa central. Eu mesma espalhei, o dia inteiro, avisos nas salas de chat do Democracy. Fiz uma propaganda anônima do site “Filhos da Democracia”, o qual transmitiria um programa de rádio que chocaria a todos. A notícia correu como fogo em um rastro de pólvora.
Ele olhou para o relógio e se amedrontou.
 Isabella , se iniciarmos a transmissão agora não há volta. Eu sei que sou bom, mas qualquer dia desses podemos ser pegos.
 Prepare as músicas, cuide do site e deixe o resto comigo.  estava mais do que determinada.
 Que assim seja!  ele assumiu os riscos junto comigo, chocando sua palma na minha em um cumprimento.  Entramos no ar em 60 segundos.
Sentada na cadeira giratória, ascendi um cigarro e bebi um pouco de gin. Depois, peguei o microfone e deixei que minha mente transtornada me guiasse.
 5... 4... 3... 2... No ar!
 Você está ligado agora na rádio Filhos da Democracia e eu, meus caros colegas, sou A voz da democracia.  graças à equalização de som, para os ouvintes minha voz soava rouca e masculina.  Somos jovens, estúpidos e estudamos na mesma bosta de colégio. Alguém aí já leu o que significa democracia no dicionário? – gargalhei. – “Governo do povo. Regime político que se funda na soberania popular, na liberdade eleitoral, na divisão de poderes e no controle da autoridade.” Não se engane! Democracia é apenas uma prostituta que presta favores a quem tem mais poder aquisitivo. – J.P olhou para mim e sorriu, em seguida voltou-se para os computadores colocando uma música de fundo para tocar enquanto cuidava para que o nosso I.P não fosse rastreado.
 Vocês estão aí agora, fazendo seus deveres de casa. Comendo o que lhes mandam comer, bebendo o que lhes mandam beber. Prisioneiros de seus próprios estilos de vida... Mas não se preocupem, essa noite serei a voz da sua consciência, o pensamento perverso que reprimem. Comecem a se perguntar: do quê esse louco está falando? – dei uma boa tragada no cigarro.  Segredos! Ah, doces segredos... – girei na cadeira me divertindo. Temos essa espada sobre nossas cabeças. Segredos pequenos, segredos grandes. Se você estuda no Democracy, corra e se esconda embaixo da cama, pois esta noite falaremos de suas vergonhas. – J.P colocou a música no último volume.


Edward PDV

Meu telefone tocou e imediatamente atendi.
 Você está ouvindo isso?  era Emmett.
– Estou.  respondi olhando para o notebook.
 Quem é esse cara? Um monte de gente já me ligou. A galera está falando desse programa até por torpedo e MSN. Acho que o Democracy inteiro está ouvindo esse doido.
Levantei da cama, muitíssimo irritado.
 Não acredito que isso está acontecendo justamente durante o meu mandato. Não pode ser verdade!  quase soquei a parede.
 Aguenta aí que estão me ligando. Daqui a pouco falo com você.

Bella PDV

 Vamos lá! Eu preciso de alguma ajuda aqui! Mandem recados pelo site e me contem seus segredos ou os segredos de outros. Não importa a procedência, chega de hipocrisia, se liberte pra cometer algumas heresias. – ri de minha própria rima. – Quem foi na festa da vitória na casa do Falcon Emmett McCarty? Se você é um “rejeitado” e nem sequer foi convidado, te digo que não perdeu muita coisa. Vou fazer um pequeno resumo. – pigarreei com sarcasmo.  Haviam egos inflamados, cerveja barata e sexo imprudente. Os gloriosos Falcons bradavam sua glória, enquanto alguns deles desmaiavam em cima do próprio vômito, como aconteceu com Mike Newton. A corte estava lindamente decorada com seus bobos e cortesãs. Uma delas se destacou...  gargalhei.  É! Estou falando da vadia novata que anda levando alguns pobres garotos para a perdição.  J.P ficou surpreso quando comecei a falar de nós, mas entendeu que aquilo era uma mera estratégia para nos tirar da lista de suspeitos.  Pelo amor de Deus! Alguém sabe o nome daquele nerd feioso? Bem, mas a verdade seja dita... Nossos idolatrados vermes são apenas reflexos do sistema que criamos em nosso colégio. Não, não culpe ninguém se está insatisfeito, pois... – gritei o mais alto que pude. – A CULPA É TODA SUA, SEU FILHO DA PUTA! – levantei da cadeira. – Falando em filhos da puta, vou me incluir na lista e contar-lhes um pequeno segredinho. Sim, faço de tudo para entreter meus ouvintes. – bebi mais um pouco de gin. – Existe uma bela jovem no Democracy. Cabelos castanhos, uniforme engomadinho e uma língua contaminada pela inveja. Aposto que já sabem de quem estou falando, afinal, quem nunca foi vítima das fofocas de Jéssica Stanley? – J.P riu alto já sabendo onde eu queria chegar.  Só que a garota não usa a boca só para difamações. Claro que não! Ela também serve para praticar sexo oral no estacionamento do colégio à noite. – meu amigo mandou ver na sonoplastia. – Oooohhh! Mas com quem? – fiz uma pausa e acendi outro cigarro.  Vou lhes dar uma dica: todos nós temos medo dele, pois o sujeito tem o poder de nos ferrar totalmente em uma das matérias mais difíceis. – deixei que os alunos pensassem. – LEVANTA A MÃO AÍ QUEM JÁ DESCOBRIU QUE ESTOU FALANDO DO SR. MOLINA! – joguei o microfone para o alto e o peguei em seguida. – É ISSO AÍ! MANDA VER, JESS-BOCA-DE-VELUDO! Gente, mas não a julguem, afinal sexo oral é uma boa forma de passar em Biologia. – o professor não tinha como se dar mal, pois não havia provas pra fortalecer a acusação, mesmo ela sendo verídica. Só que o delicioso era justamente causar a desconfiança.  Bem, bem, bem...  suspirei voltando a sentar.  Algo me diz que podemos fazer melhor que isso. Mandem-me uma mensagem, tenho sede de segredos!

(...)

Fiquei 1 hora lendo os segredos enviados pelos ouvintes, nada de muito importante, apenas intrigas amorosas e confissões engraçadas. Eu já estava me enchendo daquela merda. Ansiava por algo que afetasse diretamente os Falcons.
Priorizei meus objetivos, não tocando em momento algum no nome do Cullen. Sabia que ele estava preocupado, mas queria que se sentisse seguro e acima daquelas vulgaridades. O que tinha reservado para ele era bem maior do que uma caluniazinha anônima.
 Ei, olha isso.  enquanto uma música rolava, J.P me mostrou uma mensagem enviada pelo site.
 Não acredito...  murmurei.
Um anônimo acusou Mike de vender cocaína dentro do Democracy. O mais interessante é que indicou o local onde ele supostamente guardava a droga.
 O que vai fazer?  ficou nervoso.
 Está fazendo a pergunta errada.  levantei-me e o obriguei a fazer o mesmo.  A pergunta certa é: o que você vai fazer?
O cara demorou alguns segundos para entender onde eu estava querendo chegar.
 Não. Não posso fazer isso!  tentou se afastar e não permiti.
 Escute aqui...  o segurei pelo colarinho.  Foram anos de bullying. Esse é um daqueles momentos na vida em que nos vemos em uma encruzilhada. Se for um covarde agora, será um covarde para sempre, pois está traindo a si mesmo não querendo sair da posição de vítima.  obriguei-o a olhar dentro dos meus olhos. Até podia sentir sua respiração entrecortada em minha pele. J.P estava indeciso e preso ao conformismo, por isso só havia uma frase capaz de arrancá-lo da letargia.
 VOCÊ. NÃO. NASCEU. PRA. SER. UMA. VÍTIMA!  não foi preciso dizer mais nada. Minhas palavras o induziram abdicar do medo e da posição de capacho dos Falcons.
 Me passa o microfone.  pediu com frieza.
Sorri torto e lhe entreguei nossa arma. Enquanto ele se preparava para entrar no ar, coloquei uma música de fundo que o inspirasse.
 Está pronto?  questionei como dedo em cima do botão vermelho. J.P ergueu a cabeça e assentiu.
 Finalmente alguém teve a ousadia de nos enviar uma mensagem decente. Agora sim temos um segredo show! – sentou na cadeira onde eu estava antes.  E quer saber? Pouco me importa se é verdade ou mentira.  dava para sentir o rancor embutido em sua voz.  Há algo de podre no reino do Democracy.  deu um grande gole no meu gin.  Um de nossos alunos mais queridos, um dos melhores, se não o melhor jogador do time de basquete, tem tirado uma graninha boa vendendo cocaína dentro do nosso colégio. O burro guarda o bagulho dentro do próprio armário. – riu. – Ele é um Falcon, é um idiota... Mike Newton, você foi pego, meu chapa!
Isso!
Ergui as mãos para o alto em comemoração.
 Mas sabe...  J.P suspirou tirando seus óculos.  Mesmo com a instituição completamente fodida, insistimos em manter as aparências em nome da honra estudantil. Nós somos os bastardos que sustentam aquele colégio “tradicional e renomado”.  bebeu mais um pouco de gin, mantendo a mesma linha crítica que estabeleci.  É... Eu sinto o cheiro da hipocrisia. Está em toda parte.  olhei para o monitor e notei que os números de acessos do site disparavam. – Algum dia já sentiram que suas vidas são uma baita mentira? É! Uma farsa mesmo! Tem dias que você nem se reconhece. Sabem do que estou falando? Sabem quando deitam pra dormir e ficam pensando um monte de lixo como: será que vou levar bomba em matemática? Como faço pra aquele garoto gostar de mim? Por que meus pais não me ouvem? O que faço para me destacar na vida? Nos preocupamos com coisas tão ridículas enquanto ferramos com a camada de ozônio e devoramos os recursos naturais como gafanhotos famintos. As pessoas estão lá fora se matando por nada e para nada, mas quem se importa? Sério, quem... realmente... se importa? Então você acorda cedo, veste seu uniforme e vai para o colégio ou para o trabalho todo o santo dia como se fosse a coisa mais importante da sua existência. Pelo quê está vivendo? Pelo seu futuro? Lamento dizer, mas nem todos nós veremos o futuro...  gemeu com sarcasmo.  Não me pergunte por que as coisas são como são, só me pergunte como sobreviver a isso. – coloquei uma nova música para tocar.


– Essa madrugada seja o dono de si mesmo por alguns minutos. Olhe em volta, está sozinho! Não tem ninguém para agradar ou impressionar. TENHA ATITUDE PELO MENOS UMA VEZ! LIBERTE SUAS LOUCURAS ANTES QUE A ROTINA TE DESTRUA, PORQUE, QUANDO AMANHECER, MEUS COLEGAS, TODOS VOLTAREMOS A SER OBEDIENTES SERVOS DELA! ENTÃO PERCA A CABEÇA ENQUANTO PODEEEEE!  levantou-se num pulo e subiu em cima da cadeira. – OOOOOOOOOOOOOOOWWWWWWWW!
 AAAAAAAAAAHHHHHHHHHH!  eu mesma gritei contagiada pela música e pelas verdades ditas por J.P.
 ENLOUQUEÇAAAAAAAAAAAAAAAAAA!  gritou e saímos pulando pelo quarto.

Isabella PDV

Até eu, que estava totalmente focada em minha vingança, senti a necessidade de extravasar. De esquecer o colégio, das obrigações... Tudo! Aprendi com Jasper que às vezes é necessário apertar o botão de “reiniciar”, antes de voltarmos às nossas vidas cheias de restrições.
Podia sentir que o desabafo de Jasper tinha alcançado o seu alvo. Era possível que dezenas de pessoas estivessem se identificado com sua mensagem, fazendo com o que a nossa revolta tivesse um fim bem mais nobre do que planejamos.
Chacoalhamos a cabeça, pulamos e gritamos muito. Tínhamos a forte impressão de que, em algum lugar, nossos ouvintes dançavam em seus quartos, gritando com o mesmo fervor, apelando para a mesma rebeldia juvenil que só dura alguns anos.
 NESSA MADRUGADA SE LIVRE DOS RÓTULOS!  Jasper estava mesmo inspirado. APROVEITE, PORQUE NESSE MOMENTO VOCÊ NÃO É UM NERD, NÃO É UMA LÍDER DE TORCIDA, NÃO É UMA ANTI-SOCIAL, NÃO É UM BADBOY, NÃO É UM INTELECTUAL, NÃO É UMA PATRICINHA, NÃO É UM FALCOOOOON!

PDV ISABELLA & EDWARD

Edward: Pulando sozinho, me senti um “ninguém”. Eu já nem me lembrava como era essa sensação. O discurso do maluco me fez ficar momentaneamente fora de órbita. Sem sobrenome, sem cargo, sem ideais, sem ambição... Livre! De olhos fechados e com as mãos entranhadas em meus cabelos, senti a batida da música em cada pedaço da minha inesperada insanidade.
Isabella: Com a voz rouca de tanto gritar, girei pelo quarto totalmente entregue. Com Jasper tão fora de controle quanto eu, agora não havia bastardo no Democracy que fosse capaz de nos deter.
Edward: Que irônico. Eu estava curtindo o momento, mas quando o dia amanhecesse seria um dos que caçaria o maluco da rádio.
Isabella: Todos, os bons e os maus, mereciam uma noite sem rótulos antes dos martelos dos juízes anunciarem nossas sentenças. Estava feito... Agora era só deixar os dados rolarem.
Enquanto a música ainda tocava, peguei o microfone e encerrei o programa.
 Está se perguntando quando os filhos da democracia voltarão a bradar? Ninguém sabe, mas não se preocupe, não seremos silenciados. Não perca seu tempo tentando descobrir minha identidade, pois eu sou a citação viva de Hamlet: “sou orgulhoso, vingativo, cheio de ambição, e disponho de maior número de delitos do que de pensamentos para vesti-los, imaginação para dar-lhes forma ou tempo para realizá-los”. – suspirei. – Não deves confiar em ninguém...

Out Of Control - Hoobastank

Eu fiz tudo como você disse
Eu segui suas regras sem questionar
Eu pensei que me ajudaria a ver as coisas claramente
Mas em vez de me ajudar a ver
Eu olho em volta e é como se eu fosse cego
Eu estou girando fora de controle, fora de controle
Eu estou girando fora de controle, fora de controle
Onde eu devo ir? O que eu devo fazer?
Eu não entendo o que você quer de mim
Já que eu não sei se posso confiar em você
Eu não entendo o que você quer de mim
Eu sinto como se estivesse girando fora de controle
Tento focalizar mas esta tudo distorcido
E desde o princípio pensei que você estaria lá
(pensei que você estaria lá)
Então me deixe saber que não estou sozinho
Mas na verdade, isso é exatamente o que eu quero
Eu estou girando fora de controle, fora de controle
Eu estou girando fora de controle, fora de controle
Onde eu devo ir? O que devo fazer?
Eu não entendo o que você quer de mim
Já que eu não sei se posso confiar em você
Ou de todas as coisas que você disse para mim
E eu posso nunca saber a resposta para esse mistério sem fim...
Onde eu devo ir? O que devo fazer?
Eu não entendo o que você quer de mim
Eu disse um mistério... Eu disse um mistério
Eu estou girando fora de controle, fora de controle

Continua...

Eita que esses dois causaram uma revolução nesse colégio. Só tenho uma palavra pra dizer o que acho dela Bella: MEDO. Essa Bella me causa arrepios e algo me diz que ela ainda vai aprontar muito com o Edward e com o restante dos Falcons. Beijos e até amanhã.

+ FANFICS ROBSTEN E BELLARD


Compartilhar:
← Anterior Proxima → Home

3 comments:

  1. é igual ao 2 =/


    Crazy

    ReplyDelete
  2. esse cap não o de ontem ta repetido?

    ReplyDelete
  3. Eu adorei esse cap... Essa Bella é do capeta!!! kkkkkkkkkkkkkk

    ReplyDelete

Forever

É difícil às vezes olhar para trás e ver quanto tempo passou. As amizades conquistadas e algumas perdidas no caminho. A maturidade que inevitável atinge nossas vidas e altera nossos rumos. Aquilo que nos atingiu não podemos mudar, apenas aproveitar para encher nossa história de belos momentos vividos e aprendidos.
Twilight Moms Brasil é parte de mim e espero que seja de você também, Forever.

Twilight Moms Indica

TWIMOMS BRASIL INDICA: "PROCURA-SE UM MARIDO" DE CARINA RISSI

Uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim. Desde seu lançamento, fiquei muito curiosa para le...